Edição: 25.2 - 15 Artigo(s)

Voltar ao Sumário

Artigo Original | Artigo na íntegra em português

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO AGUDO NO COMPORTAMENTO COGNITIVO E MOTOR EM MODELO EXPERIMENTAL DE ALZHEIMER

INFLUENCE OF ACUTE PHYSICAL EXERCISE ON COGNITIVE AND MOTOR BEHAVIOR IN AN EXPERIMENTAL MODEL OF ALZHEIMER'S DISEASE

INFLUENCIA DEL EJERCICIO FÍSICO AGUDO EN EL COMPORTAMIENTO COGNITIVO Y MOTOR EN MODELO EXPERIMENTAL DE ALZHEIMER

Meiriélly Furmann, Denise Barth Rebesco, Leandro Smouter, Andressa Panegalli Hosni, Ivo Ilvan Kerppers, Aristides M. Machado-Rodrigues, Luis Paulo Gomes Mascarenhas

1. Universidade Estadual do Centro-Oeste, Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário, Irati, PR, Brasil. 2. Universidade Estadual do Centro-Oeste, Laboratório de Neuroanatomia e Neurofisiologia, Guarapuava, PR, Brasil. 3. Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal. 4. Escola Superior de Educação de Viseu, Instituto Politecnico de Viseu, Viseu, Portugal. 5. Universidade Estadual do Centro-Oeste, Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário, Departamento de Educação Física, Irati, PR, Brasil.

Luis Paulo Gomes Mascarenhas. Universidade Estadual do Centro-Oeste, Rod. Pr (153. Km 7), Irati, PR, Brasil. 84500-000. lmascarenhas@unicentro.br

Recebido em 30/10/2017
Aceito em 28/10/2018

Resumo

Introdução: O envelhecimento causa alterações de diversas funções executivas e cognitivas, principalmente relacionadas à incidência de demências, em especial, a doença Alzheimer (DA). Diversos estudos mencionam o exercício físico como um recurso preventivo de sintomas de depressão. Objetivo: Investigar as alterações cognitivas e comportamentais relacionadas à DA capazes de retardar a progressão da doença e suas complicações. Métodos: A amostra foi composta por 10 ratos Wistar machos divididos em 2 grupos (n = 5), Natação e Alzheimer+Natação, com protocolo de 6 dias de intervenção. Foram realizadas avaliações da ansiedade pelo teste de labirinto elevado em cruz, memória espacial pelo labirinto aquático de Morris, memória aversiva pelo teste de aversão em caixa de isolamento e comportamento motor por meio do teste Open Field. Resultados: No grupo Natação houve melhora na memória espacial (169 ± 142,9 x 24,2 ± 31,3), porém verificou-se comportamento motor pior depois do exercício. Igualmente, observou-se aumento do comportamento de ansiedade (8 ± 13,03 x 67,8 ± 48,1) nos animais com DA, característica relevante da doença, que não apresentou melhora após o exercício agudo. Através da análise do Size effect foi possível observar que houve diferença no grupo Alzheimer+Natação na diminuição da ansiedade e melhora do comportamento motor após o exercício. Apesar dos benefícios do exercício físico para os sintomas da DA, ainda não existe um consenso sobre o tipo de exercício e o tempo de intervenção necessários para que se tenha uma resposta positiva como método de tratamento, uma vez que ainda não existem estudos que comprovem esse fato de maneira aguda ou crônica. Conclusão: O exercício físico de forma aguda não se mostrou totalmente eficaz como tratamento das alterações comportamentais com relação à DA, porém obteve um efeito médio na análise pelo Size effect sobre o comportamento motor e a ansiedade, especificamente. Nível de evidência IV; Investigação dos resultados do tratamento.

Palavras-chave: Doença de Alzheimer; Atividade física; Envelhecimento; Memória; Comportamento motor.

Abstract

Introduction: Aging causes alterations in various executive and cognitive functions, mainly related to the incidence of dementia, especially Alzheimer's disease (AD). Several studies mention physical exercise as a preventive resource for depressive symptoms. Objective: To investigate the cognitive and behavioral alterations related to AD that are capable of slowing disease progression and its complications. Methods: The sample consisted of 10 male Wistar rats, divided into 2 groups (n = 5), swimming and Alzheimer + swimming, with a 6-day intervention protocol. The elevated plus maze test was used to assess anxiety, the Morris water maze for spatial memory, the isolation box for aversive memory, and the open field test to assay motor behavior. Results: There was improvement in spatial memory in the Swimming group (169 ± 142.9 x 24.2 ± 31.3), but motor behavior deteriorated after exercise. An increase in anxious behavior (8 ± 13.03 x 67.8 ± 48.1) was observed in the animals with AD. This is a relevant characteristic of the disease, which did not improve after acute exercise. By analyzing the size effect, it was possible to observe a difference in the Alzheimer + swimming group in terms of reduced anxiety and improved motor behavior after exercise. Despite the benefits of physical exercise for AD symptoms, there is still no consensus on the type of physical exercise and length of intervention necessary to achieve a positive response as a treatment method, since studies are yet to confirm this fact in an acute or chronic manner. Conclusion: Acute physical exercise was not fully effective as a means of treating behavioral alterations related to AD, but had a mean effect on the size effect analysis of motor behavior and anxiety, specifically. Level of evidence IV; Investigation of treatment outcomes.

Keywords: Alzheimer Disease; Exercise; Aging; Memory; Motor behavior.

Resumen

Introducción: El envejecimiento causa cambios de diversas funciones ejecutivas y cognitivas, relacionadas con la incidencia de demencias, en especial, la enfermedad de Alzheimer (EA). Diversos estudios mencionan el ejercicio físico como un recurso preventivo de síntomas de depresión. Objetivo: Investigar las alteraciones cognitivas y de comportamiento relacionadas a la EA capaces de retardar la progresión de la enfermedad y sus complicaciones. Métodos: Diez ratas Wistar machos divididas en 2 grupos (n = 5), Natación y Alzheimer+natación, con protocolo de intervención de 6 días. Se realizaron evaluaciones de la ansiedad por la prueba del laberinto elevado en cruz, memoria espacial por el laberinto acuático de Morris, memoria aversiva por la prueba de aversión en caja de aislamiento y comportamiento motor por de la prueba de campo abierto. Resultados: En el grupo Natación hubo mejoría en la memoria espacial (169 ± 142,9 x 24,2 ± 31,3), pero se observó comportamiento motor peor después del ejercicio. También se observó un aumento del comportamiento de ansiedad (8 ± 13,03 x 67,8 ± 48,1) en los animales con EA, característica relevante de la enfermedad, que no presentó mejoría después del ejercicio agudo. A través del análisis del Size effect fue posible observar que hubo diferencia en el grupo Alzheimer+Natación en la reducción de la ansiedad y de mejora del comportamiento motor después del ejercicio. A pesar de los beneficios del ejercicio físico en los síntomas de la EA, todavía no hay consenso sobre el tipo de ejercicio físico y el tiempo de intervención necesarios para tener una respuesta positiva como método de tratamiento, ya que aún no existen estudios que demuestren ese tipo de hecho agudo o crónico. Conclusión: El ejercicio físico de forma aguda no fue totalmente eficaz como tratamiento de las alteraciones de comportamiento con relación a la EA, pero obtuvo un efecto promedio en el análisis por el Size effect sobre el comportamiento motor y la ansiedad, específicamente. Nivel de evidencia IV; Investigación de los resultados del tratamiento.

Palabras-clave: Enfermedad de Alzheimer; Actividad física; Envejecimiento; Memoria; Comportamiento motor.

 

(+55 11) 5087-9502
Rua Machado Bittencourt, 190 – 4º andar
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP: 04044000
atharbme@uol.com.br