Edição: 25.5 - 14 Artigo(s)

Voltar ao Sumário

Artigo Original | Artigo na íntegra em português

INFLUÊNCIA DA CREATINA QUINASE SOBRE A PROTEÍNA C-REATIVA NA ADAPTAÇÃO MUSCULAR

INFLUENCE OF CREATINE KINASE ON C-REACTIVE PROTEIN IN MUSCLE ADAPTATION

INFLUENCIA DE LA CREATINA QUINASA SOBRE LA PROTEÍNA C-REACTIVA EN LA ADAPTACIÓN MUSCULAR

Luís Ângelo Macêdo Santiago, Lídio Gonçalves Lima Neto, Guilherme Borges Pereira, Richard Diego Leite, Cristiano Teixeira Mostarda, Francisco Navarro

1. Universidade Federal do Maranhão, Departamento de Medicina, Pinheiro, MA, Brasil. 2. Universidade Ceuma, Laboratório de Imunologia e Microbiologia de Infecções Respiratórias, São Luís, MA, Brasil. 3. Universidade Federal de São Carlos, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências Fisiológicas, São Carlos, SP, Brasil. 4. Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Educação Física, Vitória, ES, Brasil. 5. Universidade Federal do Maranhão, Departamento de Educação Física, São Luís, MA, Brasil.

Luís Ângelo Macêdo Santiago. Universidade Federal do Maranhão, Departamento de Medicina. Avenida dos Portugueses, 1.966, Bacanga, São Luís, MA, Brasil. 65080-805. luisangelomacedo@gmail.com

Recebido em 10/02/2017
Aceito em 11/04/2019

Resumo

Introdução: O envelhecimento é um processo natural e marcado por mudanças e adaptações, tanto biológicas quanto fisiológicas. Com relação às adaptações, existem inúmeros trabalhos que abordam essas respostas decorrente a vários tipos de treinamento. O treinamento resistido (TR) pode ser avaliado por parâmetros bioquímicos, como a creatina quinase (CK), que é um grande marcador de estresse da musculatura esquelética. A proteína C-reativa (PCR) é um marcador bioquímico utilizado para avaliar o dano no sistema muscular cardíaco. Objetivo: Avaliar a influência da CK sob a PCR em idosas em TR. Métodos: Estudo do tipo experimental com dez idosas (61 ± 1,8 anos). As análises de CK e PCR foram coletadas em sangue venoso periférico antes e 24 horas após as 8 semanas de TR. Medidas antropométricas foram realizadas: índice de massa corporal (IMC), relação da cintura e o quadril (RCQ) e composição corporal. O TR foi realizado por série combinada (Bi-Set). Para análise estatística, primeiramente foi realizado o teste de normalidade de Shapiro-Wilk, apresentando p > 0,05) e comprovando a utilização de testes paramétricos. As variáveis do grupo foram apresentadas como média e desvio padrão. Para comparação das amostras dependentes de evolução das cargas foi realizado a ANOVA one-way pareada para medidas repetidas, seguida de pós-teste de Tukey. Para variáveis de CK e PCR, foi realizado teste t de Student pareado para os momentos pré e pós-8 semanas de TR, assim como o ANOVA one-way e, quando necessário, o pós-teste de Tukey. O nível de significância adotado foi de p = 0,05. Resultados: Houve diminuição estatisticamente significativa, tanto para as concentrações séricas de CK, quanto para PCR, o que indicou redução de 73,14% e 75%, respectivamente. Conclusão: O TR de longa duração promoveu influências entre biomarcadores avaliados por meio do dano do músculo esquelético (CK) e dano do músculo cardíaco (PCR), determinando adaptação e remodelamento muscular em qualquer faixa etária. Nível de evidência II; Investigação dos resultados do tratamento.

Palavras-chave: Creatina quinase; Proteína C-reativa; Mialgia; Idoso.

Abstract

Introduction: Aging is a natural process and marked by changes and adaptations of both a biological and physiological nature. As regards adaptations, there are numerous works that address these responses following various types of training programs. Resistance training (RT) can be assessed by biochemical parameters such as creatine kinase (CK), which is a major marker of stress in the skeletal muscles. C-reactive protein (CRP) is a biochemical marker used to assess damage to the cardiac muscles. Objective: To evaluate the influence of CK on CRP in elderly female subjects undergoing RT. Methods: An experimental study was carried out with 10 elderly women (61 ± 1.8 years). Peripheral venous blood was collected for the CK and CRP analysis both before and 24 hours after 8 weeks of RT. Anthropometric measurements involved BMI (Body Mass Index), WHR (waist-to-hip ratio) and body composition. The RT involved combined series - Bi-Set. For statistical analysis, the Shapiro-Wilk normality test was conducted first and presented p >0.05, confirming the use of parametric tests. Group variables were presented as mean and standard deviation. To compare the load-dependent samples, the repeated measures one-way ANOVA was performed first, followed by Tukey's post hoc test. For CK and CRP variables, we conducted the paired Student's t-test for the timepoints pre- and post-eight weeks of RT along with the one-way ANOVA test, also conducting Tukey's post-test when necessary. The level of significance was set at p =0.05. Results: There was a statistically significant decrease in both serum CK and CRP, which indicated a reduction of 73.14% and 75%, respectively. Conclusion: Long-term RT promoted influences among biomarkers assessed through skeletal muscle (CK) and cardiac muscle (CRP) damage, determining adaptation and muscle remodeling in any age group. Level of evidence II, Investigation of treatment results.

Keywords: Creatine kinase; C-reactive protein; Myalgia; Aged.

Resumen

Introducción: El envejecimiento es un proceso natural y marcado por cambios y adaptaciones, tanto biológicas como fisiológicas. Con respecto a las adaptaciones, existen innumerables trabajos que abordan esas respuestas derivadas de varios tipos de entrenamiento. El Entrenamiento Resistido (ER) puede ser evaluado por parámetros bioquímicos, como la creatina quinasa (CK) que es un gran marcador de estrés de la musculatura esquelética. La proteína C-reactiva (PCR) es un marcador bioquímico utilizado para evaluar el daño en el sistema muscular cardíaco. Objetivo: Evaluar la influencia de la CK bajo la PCR en ancianas en ER. Métodos: Estudio de tipo experimental con 10 ancianas (61 ± 1,8 años). Los análisis de CK y PCR fueron recolectados en sangre venosa periférica antes y 24 horas después de las 8 semanas de ER. Se realizaron mediciones antropométricas: IMC (Índice de Masa Corporal), RCC (Relación Cintura / Cadera) y Composición Corporal. El ER fue realizado por Serie Combinada (Bi-Set). Para análisis estadístico, primero se realizó la prueba de normalidad de Shapiro-Wilk presentando p> 0,05 y comprobando el uso de pruebas paramétricas. Las variables del grupo se mostraron como promedio y desviación estándar. Para comparación de las muestras dependientes de evolución de las cargas se realizó el Test one-way ANOVA pareado para medidas repetidas, seguido de post-test de Tukey. Para variables de CK y PCR se realizó el Test t de Student pareado para los momentos pre y post ocho semanas de ER, así como el ANOVA one-way y cuando necesario, el post-test de Tukey. El nivel de significancia adoptado fue de p ≤ 0,05. Resultados: Hubo disminución estadísticamente significativa, tanto para las concentraciones séricas de CK, como para PCR, lo que indicó reducción del 73,14% y el 75%, respectivamente. Conclusión: El ER de larga duración promovió influencias entre biomarcadores evaluados a través del daño del músculo esquelético (CK) y daño del músculo cardíaco (PCR) determinando adaptación y remodelación muscular en cualquier grupo de edad. Nivel de evidencia II; Investigación de los resultados del tratamiento.

Palabras-clave: Creatina quinasa; Proteína C-reactiva; Mialgia; Anciano.

 

(+55 11) 5087-9502
Rua Machado Bittencourt, 190 – 4º andar
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP: 04044000
atharbme@uol.com.br